Lula: África do Sul lidera ‘renascença africana’

E o Brasil quer participar dela, por meio da integração comercial e da parceria política

PRETÓRIA – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem em Pretória, capital da África do Sul, que o país está liderando uma “renascença africana”, e sugeriu que o Brasil quer participar dela, por meio de uma integração comercial. “A liderança política e a pujança econômica da África do Sul estão forjando na África Austral uma renascença africana cujos resultados pude observar”, declarou o presidente, ao fim de uma viagem de uma semana por cinco países africanos.

“Essa é uma revolução pacífica, cujas bases vêm sendo construídas no âmbito de iniciativas inovadoras, que têm a África do Sul como seu pilar”, disse Lula, citando dois organismos dos quais o Brasil e o Mercosul têm buscado uma aproximação: a União Aduaneira da África Austral (Sacu) e a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC). “Na América do Sul, também estamos trilhando esses caminhos”, acrescentou Lula, no discurso do brinde em um jantar em sua homenagem, na residência oficial do presidente Thabo Mbeki.

A África do Sul, de longe o país mais importante visitado por Lula nessa viagem, é vista pelo Brasil como porta de entrada para a região, por liderar esses dois organismos e por estar ligada aos outros países por estradas, ferrovias e portos. O Brasil quer vender produtos de alto valor agregado para a África do Sul, como automóveis, e adquirir tecnologia em setores em que o país se destaca, como armamentos.

Além do comércio, o Brasil está construindo também uma parceria política com a África do Sul e a Índia, reunidos no Grupo dos Três (G-3), para coordenar posições no cenário internacional, como por exemplo nas negociações da Organização Mundial do Comércio. Os dois países também se apoiam mutuamente na postulação de um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU.

Brasil e África do Sul assinam hoje três acordos de cooperação, nas áreas de ciência e tecnologia, medicina, meio ambiente, desenvolvimento urbano e cultura.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*