Por que o Japão é alvo da Coreia do Norte

É a quarta vez que as Forças de Autodefesa do Japão mobilizam-se para proteger o país de um possível ataque da Coreia do Norte. Nas outras três vezes, as baterias japonesas nos navios e em terra não foram acionadas, porque o arquipélago não foi atingido. Desta vez pode ser diferente. Como observou o almirante Samuel Locklear, que comanda as forças americanas no Pacífico, o novo dirigente norte-coreano não está reservando, em sua retórica, uma ressalva – do tipo “a menos que…” –, que garantiu saídas honrosas para seu pai e avô, depois de obterem o que pretendiam. Do outro lado, a disposição de americanos e sul-coreanos de apaziguar Pyongyang com ajuda econômica e garantias de não iniciar hostilidades também parece exaurida.

 

Mas, se foram as sanções econômicas impostas em fevereiro pelo Conselho de Segurança, do qual o Japão não faz parte, e os exercícios militares conjuntos particularmente robustos dos EUA e da Coreia do Sul no mês passado que provocaram a fúria de Pyongyang,por que o arquipélago japonês é um dos mais prováveis alvos de um ataque dos norte-coreanos, cujos mísseis Musudan foram deslocados para a costa leste e mirados para o Japão? Há razões de diversas ordens.
Desde o armistício da 2ª Guerra Mundial, o Japão abriga bases do Exército, da Força Aérea e da Marinha dos EUA, que configuram os alvos militares americanos mais valiosos ao alcance dos mísseis norte-coreanos com razoável precisão. O Japão é um antigo inimigo e está na origem do conflito: o império japonês ocupou a Península Coreana, de forma intermitente, desde o fim do século 19 até 1945, quando os soviéticos tomaram o norte e os americanos, o sul, resultando na divisão do território entre um regime comunista e outro capitalista. Além disso, o Japão vive em constante disputa com a China pela soberania sobre ilhas que representam o controle sobre o trânsito de cargueiros no Mar do Leste da China, vital para ambos.

Tradicional aliada, a China colaborou com a redação das últimas sanções contra a Coreia do Norte. Pequim não tem interesse nessa escalada, que dá aos EUA pretexto para aumentar suas defesas na região, que se voltarão no médio prazo contra a China. Daí o desejo norte-coreano de envolver o Japão, grande rival regional da China, nessa escalada. Kim Jong-un patina sobre o gelo. O problema continua sendo se ele escorregar.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*